Científico

Como fazer um EmDrive


Em um passado não tão distante, tudo o que homens ou mulheres da ciência poderiam querer eram (1) Aceleradores de partículas, por razões óbvias (Aprenda a fazer o seu aqui!); (2) Telescópios espaciais, por razões não tão óbvias; (3) Reatores nucleares, para aquecer nossos lares em noites frias e (4) Clusters de Raspiberry Pi, para rodar simultaneamente múltiplas instâncias do mesmo emulador de Super Nintendo ou para minerar Bitcoins e Ethereum. Mas o mundo tem mudado rapidamente… Hoje as pessoas querem mais! Todos querem ser capazes de fazer seu próprio Tang sabor fulereno, todos querem fazer seu próprio algodão doce de nanotubos de carbono, todos querem fazer suas próprias impressoras 3D para construir outras impressoras 3D menores recursivamente até o ponto de obter massinha de modelar de nanomáquinas. Mas a mais nova sensação do momento são os EmDrives. Por quê? Bem, com um desses vocês podem:

  • Ir para a Lua em até 4 horas[1];
  • Ir para Marte em até 70 dias[2];
  • Violar e/ou não violar Leis de Física;
  • Fazer pipoca de microondas enquanto viaja pelo sistema solar e além;
  • Ter sorte no amor.

Ok! Isso é o que vocês podem fazer com um EmDrive. Mas o que é e como funciona um EmDrive? Bem, para responder essa pergunta, temos que falar um pouco da história por trás desse dispositivo. Tudo começou em 1910 quando H. Gerdien [3] foi tomar banho e escorregou no piso cerâmico antiderrapante hidrofílico molhado de seu banheiro ao tentar pendurar seu relógio de bolso em gancho metálico de parede. Durante a queda, Gerdien viu sua vida inteira passar diante de seus olhos e lembrou-se melancólico de seu pônei, Fred. No instante posterior, Gerdien bateu a cabeça na pia e ficou desacordado por 2 horas… Quando Gerdien acordou, ele teve uma visão! Uma figura em sua mente, ele viu isso:

diagrama_cavidade_ressonante
Representação fiel da figura observada por Gerdien (Fonte: Wikipedia). Nota: As legendas da figura também eram visíveis na visão de Gerdien. Porém, isso não facilitou seu trabalho, pois ele era Alemão e não sabia inglês.

Essa visão era nada mais, nada menos que a cavidade ressonante (ou Magnetron [4]), o dispositivo que, juntamente com manteiga de amendoim, é o que torna possível o EmDrive. Durante muito tempo as cavidades ressonantes foram utilizadas para fins militares recreacionais, especialmente em radares. Mas foi durante a década de 40 que Percy Spencer fez uma descoberta acidental que permitiu a criação do Forno de Microondas (Clique aqui para saber mais). O forno de microondas utiliza ondas eletromagnéticas geradas pelo Magnetron para atuar sobre as moléculas de água, açúcares e gordura, fazendo-as girar, na tentativa de se alinharem ao campo elétrico das microondas, aquecendo assim os alimentos. Mas esse é só o começa da história!!!

Caramba, QF! Tem mais?

Pode ter certeza! Depois do sucesso do forno de microondas, um sujeito chamado Roger Shawyer foi ainda mais longe… ele propôs o EmDrive. Trata-se de um motor elétrico capaz de produzir impulso utilizando apenas ondas eletromagnéticas em uma cavidade ressonante em formato de cone. Mas como ele funciona?? Bem, ninguém sabe ao certo… Há quem acredite que fenômenos quânticos sejam os responsáveis, há quem diga que de fato a explicação é tão trivial que a deixaram como exercício e há ainda os que dizem que o motor funciona convertendo gravidade em amor, como no filme Interestelar. Tudo isso é especulação, mas estudos recentes realizadas pela NASA (Link para o paper) mostraram que o EmDrive funciona! E isso é que importa!

O melhor dessa história toda é que podemos fazer nossos próprios EmDrives!! Através de simples e pequenas modificações em nossos fornos de microondas, podemos construir propulsores interestelares capazes de nos acelerar até velocidades relativísticas!!!!!! !!!!! E fazer pipoca AO MESMO TEMPO!!!!!!!!! O_O!!!!!!! Ficaram interessados? Então vamos ao…

Material necessário

Para esse projeto vamos precisar de:

  • 1 forno de microondas em perfeito estado de funcionamento;
  • 1 colar elizabetano para animais de grande porte (vulgo cone da vergonha);
  • 2 m de tubo de PVC;
  • 1 tesoura;
  • 16 rolos de papel alumínio;
  • 1 tomada 110 ou 220 V (depende do seu forno);
  • 1 ou mais extensões elétricas (no comprimento da distância máxima a ser viajada);
  • 1 nave Soyuz ou Ônibus espacial (sem motores, não vamos precisar deles);
  • 1 rolo de fita adesiva dupla face (assim você não precisa se preocupar em saber qual lado cola).

Os passos necessários para construir o EmDrive são os seguintes: Primeiramente, retire o forno de microondas da tomada, não queremos correr riscos de choques elétricos. Remova todos os parafusos que seguram a carenagem externa do seu forno e a remova com cuidado. Vocês devem estar vendo algo parecido com isso:

microondas_forno_aberto

Uma vez com o forno de microondas aberto, localize o Magnetron… é aquela coisa da figura lá de acima. Agora, encape o tubo de PVC com o papel alumínio por dentro e por fora. Sim, por dentro e por fora. Não poupe papel alumínio. Acople o tubo de PVC ao Magnetron de modo a canalizar as microondas produzidas e fixe-o utilizando a fita adesiva. Deixe a massa descansar por 20 minutos. Enquanto isso, encape o cone da vergonha com papel alumínio (Lembre-se de remover qualquer animal que esteja utilizando o cone) e tape os dois lados do cone com papel alumínio. Feito isso, faça um furo na lateral do cone com a tesoura e acople o tubo de PVC nesse furo. O resultado deve se parecer com isso:

emdrive_caseiro2

Estamos quase lá! Agora só falta encaixar seu EmDrive em sua nave (use a fita adesiva) e conectar tudo na tomada utilizando todas as extensões que conseguirem e pronto! Agora é só ajustar seu forno de microondas, ou melhor, seu EmDrive para operar na função “descongelar”, digitar o tempo de viagem no painel do forno e apertar o botão Ligar/Iniciar!

Simples assim! Vocês estão prontos para explorar o espaço!

=/

PS: Não se esqueçam da pipoca!

Notas do Autor:

[1] Você pode minerar Hélio-3 para aquele seu experimento.
[2] Você pode até tirar selfie com a Curiosity! Já pensou??
[3] Ninguém sabe o primeiro nome dele ou dela.
[4] Nome de guerra Decepticon.




5 especialistas já comentaram!

  1. Ruvânia

    Talvez o EmDrive tenha surgido do uso do motor de probabilidade infinita.

  2. PokerChemist

    “foi tomar banho e escorregou no piso cerâmico antiderrapante hidrofílico molhado de seu banheiro ao tentar pendurar seu relógio de bolso em gancho metálico de parede.”
    Eu sei como você se sente senhor Gerdien )_:
    Só troco seu relógio por minhas cuecas.

  3. Pelo jeito, a melhor maneira para se ter boas ideias científicas (caso não morra, ou gere considerável perda psico-motora no processo) é escorregando no piso molhado do banheiro e batendo a cabeça na pia… x___X

    Se juntarmos o EMDrive com o Capacitor de Fluxo poderemos nos deslocar tanto no espaço quanto no tempo (e ainda comendo pipoca) :D Imagine poder ir até (o passado de) Marte e presenciar a vida – como a conhecemos – povoando o planeta?

  4. QF

    @Ruvânia Improvável… =P

    @PokerChemist Gostaria de saber que tipo de motor surge qdo se troca relógios por cuecas… HUhuahuahuahu

    @Code Faz total sentido. Tanto o EmDrive quanto o Capicitor de Fluxo viajam pelo tempo e pelo espaço. Mas só o Capacitor de Fluxo é capaz de te levar nessa viagem pra Marte… Porém, sem pipoca! HUhuahuahuauh

  5. @QF, provavelmente quando se troca relógios por cuecas devem surgir ideias de maquinas de lavar roupa quântica e relativística :D Assim, você nunca irá saber se a roupa estará limpa ou suja depois do processo “de lavagem”. xD

    EMDRIVE ACOPLADO AO CAPACITOR DE FLUXO

    Quanto ao problema do Capacitor de Fluxo é que ele se move no tempo, intimamente atrelado as três coordenadas espaciais, assim permitindo que voltemos (ou avancemos) no tempo sem parar no espaço vazio e continuarmos em “solo firme”. Dessa forma, se usarmos somente o Capacitor de Fluxo em terra (e na Terra), iremos para frente ou para trás no tempo, ainda em terra (e na Terra, exatamente nas mesmas coordenadas geográficas em que partíssemos).

    Por isso, se quisermos sair da Terra no período atual e nos encontrarmos no passado de Marte, teríamos que utilizar também o EMDrive :)

    O EMDrive, se acoplado ao Capacitor de Fluxo poderia nos permitir “quebrar” essa dependência do tempo com as coordenadas espaciais, nos deslocando no espaço desatrelado ao deslocamento temporal :D

    É ele que, partindo da Terra nos permitiria deslocar até Marte, enquanto o Capacitor de Fluxo volta no tempo, sincronizando todo o processo ;) (mas confesso que seria complicado fazer tudo isso através do menu de degelo do microondas…)

    NOTA CIENTÍFICA: Melhor que o EM Drive somente o Murphy’s Drive :D com teleporte instantâneo para qualquer parte do Universo (http://www.quantumvibe.com/)

    E o mais importante de tudo – de poder utilizar ambos juntos – é não perder a chance de realizar esse experimento fazendo e comendo pipoca durante toda a viagem :D :D :D

    Mas tem que ter o refrigerante junto pra não chegar lá “morrendo de sede”. Vai que no passado de Marte, mesmo com vida (como nós a conhecemos), não encontremos “água potável” (como nós a conhecemos) no planeta, e os seres que lá habitaram possuem outras necessidades fisiológicas e eletrolíticas? x___X

Faça um comentário...

*Atenção! Letras pequenas! Aviso importante: O sistema de comentários do Efeito Ázaron é um espaço para os leitores publicarem suas opiniões e comentários relacionados ao conteúdo. Todo e QUALQUER texto publicado nos comentários por terceiros não reflete a opinião do site e é de exclusiva e integral responsabilidade do leitor que o escreveu. Ao comentar aqui, o usuário concorda que SEU texto é de SUA responsabilidade, e não do site.

Theme by Anders Norén